“A desvalorização do profissional tem impacto na maneira em que ele vai dar aula”, disse Vinaum

Encontro on-line abordou a temática educação como objeto de transformação, além de assuntos sobre educação pública e privada



Educação para todos é o tema das discussões da programação no mês de julho da 40tena Cultural. No dia 14 de julho, quem esteve presente em mais um encontro on-line foi Vinaum (Vinícius Santana), que é graduando em Filosofia pela Unicamp, pesquisador a nível de IC em História da Filosofia Antiga Ocidental (Ética a Nicômaco, de Aristóteles) e um dos apresentadores do podcast “Quebrada Cult”. Participou também do bate-papo “Educação como transformação”, Letícia Caroni, graduada em Letras e professora de Língua Portuguesa.


Vinaum contou que estudou em escolas públicas e só foi possível estudar na rede particular quando foi bolsista. “Foi esse desconto que me possibilitou um nível de educação para disputar uma vaga no vestibular”. Ele lembrou que, em sua trajetória escolar, ele percorreu o caminho inverso, comparado aos amigos. “Saí de uma instituição privada e fui cursar uma faculdade pública. Enquanto muitos amigos meus, que estudavam no ensino médio em instituições públicas, tiveram de ir para uma faculdade particular, pois não tiveram a mesma preparação que eu tive”, contou.


Letícia Caroni complementou dizendo que a realidade das faculdades privadas não favorece os alunos que vieram de escolas públicas. “Em muitos casos, quem veio de uma escola pública precisa trabalhar por não ter dinheiro suficiente para pagar a mensalidade da universidade. Os pais, sozinhos, não dão conta de pagar o ensino”, comentou a professora, argumentando que essa realidade é frustrante para o estudante que, muitas vezes, tem o pensamento de não conseguir conciliar as duas atividades ao mesmo tempo.


Para Vinaum, uma forma de resolver o problema do sucateamento da educação pública seria solucionar a desvalorização do professor, que, segundo ele, causa dificuldades e até falta de interesse dos profissionais em buscar novos métodos de ensino. “Por outro lado, essa desvalorização tem influência no comportamento dos alunos. Afinal, se o professor não está motivado em trabalhar, os alunos não vão se mexer para que a aula seja diferente”, mostrou.


Para assistir a conversa completa sobre a educação como meio de transformação, só assistir o vídeo acima ou acessar o canal da Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto.

botao_fixo.png