top of page

Ausências, presenças e conexões literárias durante bate-papo com Marcelino Freire

A partir de poema de Drummond, o rapper Vinícius Preto, o MC João D. Deus e o escritor Marcelino Freire debateram os reflexos e os impactos da literatura no cotidiano

O poema “Ausência”, de Carlos Drummond de Andrade, foi a referência para a segunda roda de conversa do Revolução Poética na Fábrica Literária na noite de domingo (01/5). O rapper Vinícius Preto, o MC João D. Deus e o escritor Marcelino Freire abordaram a temática retratada num dos mais conhecidos poemas de Drummond, com música, literatura e as conexões entre essas linguagens.


No terceiro dia do evento, Vinícius Preto e João D. Deus, amigos e parceiros musicais, escolheram sair do lugar comum de falar da ausência de quem se foi, para tratar da ausência de quem não pode estar. “Nossa perspectiva é a de quem vem da leitura e de quem está à margem, de quem não pertence. E falar de literatura nesse contexto é romper com a academia, porque é escrever fora das linhas”, ressaltou o MC João D. Deus, que tem uma história de mais de dez anos de trabalho com o hip hop e a música autoral independente por meio da Casa do Hip Hop Ribeirão Preto. Vinicius Preto, que é de Itaquera, São Paulo, é historiador e fundador do Zamba Rap Clube, com quem gravou dois discos e seis clipes, além de EP solo.


Depois do som provocador da dupla de rapper e MC, o escritor pernambucano Marcelino Freire seguiu a conversa em torno da temática da ausência falando de suas próprias ausências pessoais, da forte referência e inspiração da mãe em sua escrita, das presenças que a ausência traz, da solidão no processo da escrita e do socorro das palavras. “Escrevendo eu compreendo o mundo à minha volta, mas é um momento onde estou muito sozinho. E as palavras me fazem uma espécie de abraço coletivo para me ajudar nesse processo”, disse o autor que é um dos principais nomes da literatura contemporânea brasileira, ganhador de um Prêmio Jabuti com o livro “Contos Negreiros”, em 2006.



Para o escritor, a revolução está na poesia e a literatura é patrimônio humano. “Minha poesia é carregada das sonoridades do sertão nordestino, do repente, do falar cantado. E escrevo para dar vexame lírico. Tem o antes, o durante e o depois do poema”, sublinh