Da palavra escrita ao rap: a força da expressão de quem lê

Estudantes do projeto Combinando Palavras demonstraram durante a FIL – Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto – que a literatura é uma ferramenta transformadora



Combinando Palavras com Ferréz (Foto: Gabi Nalon)

Vitor Henrique Barbosa, 18 anos, aluno da Escola Dr. Geraldo Correia de Carvalho, nunca tinha lido um livro antes de fazer parte do Projeto Combinando Palavras. O contato com a obra do autor Ferréz, a convite de seu professor, foi a senha definitiva para abrir portas ao caminho da leitura. Durante a 21ª FIL – Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto, o estudante subiu ao palco do Theatro Pedro II, no dia 24 de agosto (quarta-feira), e levou o que traduz como nova munição para sua vida: um livro nas mãos e a coragem para interpretar poemas dramatizados, junto com colegas de sua escola. “A educação é uma arma potente”, comenta o estudante que, depois da vivência no projeto, já leu outro livro de Jorge Amado e promete: quer ler mais obras de Ferréz - com quem teve identidade direta - e de outros autores.



Combinando Palavras com Ferréz (Foto: Gabi Nalon)

A munição que o estudante escolheu para este momento de encontro com o autor estudado, é a mesma que Ferréz utiliza em seu trabalho cotidiano: a palavra. Desde muito cedo, o universo da escrita foi se delineando para o escritor, apesar do sonho de seu pai ir em outra direção: queria que ele fosse datilógrafo. “Na década de 70, a última coisa que alguém pensaria em ser em Capão Redondo - de onde eu venho, era ser escritor”. Mas ele contrariou as estatísticas para se tornar um autor reconhecido. “Todos nós nascemos com um opcional. Muitos nasceram sem skates, sem violão e são verdadeiros talentos. Por isso fica meu recado: não abandonem o dom de vocês e escolham uma profissão que o coração manda”.



Combinando Palavras com Ferréz (Foto: Gabi Nalon)

A aluna Raiane Cristina Costa Nazario, 16 anos, da Escola Estadual João Palma Guião, de Ribeirão Preto, entendeu bem o recado e soube usar a sua voz para homenagear o escritor. Ela trouxe para o palco do Pedro II uma dose extra de determinação para interpretar um poema de Ferréz. “Foi bem gratificante. Costumava frequentar saraus na escola, porque sempre gostei, mas sou tímida. Acabei me revelando aqui. Hoje me sinto representada”.


Da palavra, passando pelas artes visuais, foi o rap que estremeceu as paredes e o chão da Theatro Pedro II, com as palmas e batidas da plateia, orquestrada por Férrez. Em toda a apresentação do Combinando Palavras, os alunos deram um show de criatividade e arte - nos quadros, caricaturas, vídeos e outras formas de expressão.



Combinando Palavras com Ferréz (Foto: Gabi Nalon)

A professora Daiana Guiraldeli, da Escola Edgard Cajado, diz que o Combinando Palavras é transformador porque representa uma forma de acesso aos alunos. “Alguns nunca tinha vindo a um teatro”, afirma. Ela conta que o engajamento dos estudantes aconteceu em todas as fases do projeto e constatou que, com a experiência, eles leram mais e tiveram vontade de ficar na escola. Para estudantes da Escola Galdino de Castro, de Cajuru, a grande motivação foi a possibilidade do encontro com o autor. É o que revela a professora de Língua Portuguesa, Poliana Aparecida Dias. Para esse encontro, os estudantes usaram o melhor de suas percepções na criação de poemas, caricaturas, podcasts e outras formas de expressão. E capricharam.



Combinando Palavras com Ferréz (Foto: Gabi Nalon)

“Para mim foi catártico, porque eu nunca recebi homenagens. Sempre via meus amigos recebendo [então eu fiquei até assim: - caramba! É assim que o cara se sente]. Me senti muito bem. Tem muito desenho para mim, muito quadro, muita coisa para eu levar, fora as demonstrações de alegrias e os mergulhos na minha obra. Fiquei muito impressionado”, revelou Ferréz durante o encontro. O autor disse que a Feira Internacional do Livro representa uma mudança de paradigma. “Os alunos estão estudando uma cultura que tem a ver com eles: a literatura marginal e periférica. E estão tendo acesso a escritores. Assim, eles se sentem mais próximos da arte”, concluiu.


O projeto


Em sua 5ª edição, o projeto educativo faz parte das atividades da Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto. Nesta edição, os autores selecionados para o Combinando Palavras foram Cristiane Sobral, Ryane Leão, Olívio Jekupé, Eliana Alves Cruz, Férrez, Luiza Romão, Daniel Munduruku, Luiz Puntel e Eduardo Spohr. Uma das novidades do projeto foi a participação de alunos da Adevirp - Associação dos Deficientes Visuais de Ribeirão Preto. Desde 2017, em suas quatro edições, o projeto atendeu mais de 30 mil alunos, cerca de 300 professores de 220 escolas de 14 cidades da região de Ribeirão Preto e contou com 29 escritores, que foram lidos e estudados pelos participantes.


Sobre a Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto


A 21ª edição da Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto aconteceu de 20 a 28 de agosto de 2022 e trouxe como proposta de reflexão o tema “Do Caburaí ao Chuí: a força da Literatura Brasileira”. A proposição embasou todas as atividades e debates do evento. A feira consagrou-se como um dos maiores eventos culturais do país: 21 anos de história e 20 edições realizadas. Em 2020, a feira tornou-se internacional e em 2021 realizou sua 20ª edição, pela primeira vez, no formato on-line, devido à pandemia do Coronavírus. Realização: Ministério do Turismo, Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto, Usina Alta Mogiana, GS Inima Ambient e Fundação do Livro e Leitura apresentam a 21ª Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto (FIL). Patrocínio Diamante: Usina Alta Mogiana e GS Inima Ambient. Patrocínio Ouro: GasBrasiliano e Savegnago. Patrocínio Prata: Passalacqua, Premier Pet, Pedra Agroindustrial, Ribeirãoshopping e Riberfoods, Usina Vertente,Tereos e Vittia. Patrocínio Bronze: Supermercados Gricki, MazaTarraf, Tracan, Santa Helena. Patrocínio: Madeiranit, Usina São Martinho, Tarraf. Instituição Cultural: SESC. Parceria Cultural: Fundação Dom Pedro II – Theatro Pedro II, Alma – Academia Livre de Música e Artes, Biblioteca Sinhá Junqueira, Centro Cultural Palace, Instituto do Livro, CUFA, A Fábrica, IPCCIC – Instituto Paulista de Cidades Criativas e Identidades Culturais, Teatro Municipal de Ribeirão Preto, AbaCare, Associação de Surdos, CAEERP, FADA, Fundação Panda, Ribdown, SOMAR. Apoio: ACIRP, Base Química , Cenourão, Combustran, DTEK, Durati Distribuidora, Lopes Material Rodante,Molyplast, Mialich supermercados, Santa Emília, Transmogiana,Tonin, Vantage – Geo Agro, ViaBrasil, Coderp, Transerp, Guarda Civil Municipal, Polícia Militar, Secretaria de Cultura e Turismo, Secretaria de Educação, Secretaria do Meio Ambiente, Secretaria de Infraestrutura. Apoio Cultural: Convention Bureau, Colégio Marista, Diretoria de Ensino – Região de Ribeirão Preto, ETEC – José Martimiano da Silva, Educandário, SESI, Barão de Mauá, Centro Universitário Moura Lacerda, Unaerp, NW3, Grupo Utam, Monreale Hotéis, Painew, Verbo Nostro Comunicação Planejada e Instituto Unimed.

botao_fixo.png