top of page

Ignácio de Loyola Brandão: “Ter um projeto pela frente me obriga estar vivo”

Aos 86 anos, escritor diz na 21ª FIL que vai realizar o primeiro sonho de sua vida: escrever um roteiro para o cinema



Ignácio de Loyola Brandão na FIL

Nunca é tarde para realizar sonhos. Aos 86 anos, Ignácio de Loyola Brandão é prova viva disso. No sábado, dia 27/8, durante a 21ª FIL – Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto, o escritor revelou que foi convidado a escrever um roteiro para o cinema. “Será uma adaptação do meu livro “Dentes ao Sol”. Com isso, vou realizar o primeiro sonho que tive na vida, que é o de escrever para o cinema”, disse. Além deste, outro livro de Loyola deve virar filme pelas mãos do diretor José Eduardo Belmonte (de Alemão).



Ignácio de Loyola Brandão na FIL

E o convite veio ao mesmo tempo em que o escritor descobriu uma diabetes, após apresentar problemas no olho direito. “O médico disse que quase tive um AVC e escapei da cegueira. Mas ao mesmo tempo tenho a oportunidade de realizar um sonho. Ter um projeto pela frente me obriga estar vivo”, disse Loyola na conversa mediada por atriz e pedagoga, Laura Abbad.


Com o tema “O Brasil que mora em mim”, a conferência do escritor fez parte da Sessão Mapa Literário. “Meu primeiro Brasil foi Araraquara, onde descobri a leitura observando meu pai, expressando emoções a cada livro que lia. Aprendi a importância de sonhar, de fantasiar, pelas mãos de minhas professoras Lurdes e Ruth. Fui realizar meus sonhos paulistanos graças ao professor Ulisses, de matemática, que me permitiu sonhar. Meu Brasil são os meus professores”, relembrou.