Revolução Poética na Fábrica Literária começa com eco à obra de Noel Rosa

Após breve cerimônia, o evento apresentou show de Jacque Falcheti em homenagem à extensa obra de Noel Rosa. Festival de Ideias segue até o próximo dia 3 de maio

Crédito Foto: Ana Martinez

“Quando uma ideia revoluciona, por si só, poetisa”. Essa é mais uma vez a mensagem central do “Revolução Poética na Fábrica Literária” para o público - que nesta edição pode acompanhar de forma presencial ou pela internet. O evento teve abertura na sexta-feira (29 de abril), a partir das 20h, no auditório do espaço A Fábrica, na presença da presidente da Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto, Dulce Neves, e do diretor do Instituto SEB – A Fábrica, José Luiz do Carmo, com mediação da jornalista Julia Baldin.

O festival de ideias é realizado neste ano pela Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto e Instituto SEB – A Fábrica. As duas instituições uniram forças para celebrarem juntas a literatura nacional. Durante cinco dias (até o dia 3 de maio), o evento oferece uma programação intensa e gratuita: 14 autores se revezam para conversas literárias e debates com participação do público - presencialmente e online.

Para oficializar a abertura, José Luiz do Carmo deu boas vindas à plateia. “Literários, poetas, sonhadores, sejam bem-vindos. De uma maneira inédita temos uma parceria para pulsar a comunicação, para viver a literatura, para degustar a poesia. Vamos fazer uma revolução!”, convidou.

A presidente da Fundação, Dulce Neves, destacou a importância da parceria, lembrando o ditado, ‘um sonho que sonha sozinho é só um sonho; mas um sonho que se sonha junto é realidade’. Ela destacou o objetivo do evento de celebrar a literatura e democratizar o acesso ao livro e à leitura. “Escolhemos a poesia para efetivar esse propósito”, destacando o pensamento do sociólogo Edgar Morin em sua obra “A Via”, escritor que inspirou a criação do Revolução Poética. “A poesia é a palavra vestida de beleza, de arte, de sentimentos e sensações. O que precisamos trazer para esse momento é a reflexão. Que todos tenham uma grande revolução de ideias”, propôs aos participantes.

Espetáculo Noel Cronista

Para relembrar clássicos de Noel Rosa, a cantora Jacque Falcheti apresentou, na sequência, o show “Noel Cronista”, acompanhada pelos músicos Alan Silva, no violão de sete cordas, e Rafael Martelli, no cavaquinho. A cantora possui cinco CDs gravados, incluindo dois em tributo ao carioca Noel Rosa, e relembrou clássicos do poeta do morro, um dos maiores compositores brasileiros.

Noel deixou um legado com mais de 250 letras musicais – a maioria escrita num espaço de cinco anos. Jacque mostrou parte deste acervo musical, com interpretações que traduziram o olhar e a sensibilidade do músico. Um repertório escolhido a dedo com músicas repletas de humor e da veia crítica, como “Com que roupa”, “Três apitos”, “Conversa de botequim”, “Último desejo”, entre outras.



Crédito Foto: Ana Martinez

O “Revolução Poética na Fábrica Literária” aconteceu no auditório do espaço A Fábrica, na rua Mariana Junqueira, 33, no centro de Ribeirão Preto, até o dia 3 de maio. O festival homenageou seis poetas brasileiros: Carlos Drummond de Andrade, Clarice Lispector, Cora Coralina, Ferreira Gullar, Manoel de Barros e Paulo Leminski. A produção deu destaque para um poema de cada escritor, utilizando-os como base para refletir sobre os sentimentos: incompletude, ausência, completude, amplitude, intensidade e contradição – temas chaves do encontro.

A abertura completa do evento pode ser conferida no site no canal da Fundação no YouTube.

botao_fixo.png