“A ancestralidade é nossa via de identidade”, disse Paulo Ifatide Ifamoroti, durante encontro



A Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto recebeu no dia 23/11 em seus canais – YouTube, Instagram e site – os escritores Paulo Ifatide Ifamoroti, Odete Silva Dias e Maria Helena Ramos que discutiram o “Tempo ancestral – a sabedoria dos nossos mais velhos”. Durante o encontro, os participantes destacaram que a ancestralidade deve ser lembrada, mas jamais esquecida.




“Ela é nossa via de identidade histórica. Sem ela, não sabemos quem somos e nunca saberemos o que queremos ser. Esse é o pensamento que me move no mundo”, contou o escritor Paulo Ifatide Ifamoroti, que reforçou a importância de seguir lutando contra o racismo e as diferenças impostas por esse pensamento. “Nós brigávamos por cotas raciais nas universidades, conseguimos, mas o racismo continua. Até pior, porque nossos jovens estão ocupando lugares não determinados pelo racismo”, disse. Outro símbolo de luta, citado pelo escritor, é a aceitação do Black Power em que, segundo ele, os jovens estão começando a voltar a aderir. “Mudou muito a realidade dessa juventude negra, mas o racismo continua igual”, concluiu Paulo.


O tempo


Sobre o tempo, Paulo Ifatide Ifamoroti disse que o tempo proposto para o Ocidente é o tempo do mercado. “O tempo do capitalismo, então nós temos que tomar o café da manhã às 7h, porque temos que estar no emprego às 8h e às 12h você tem que parar para almoçar. Ninguém avisou meu estômago sobre isso”, brincou Paulo, que está a quase 40 anos sem cumprir esse “horário”.

O bate-papo na íntegra está disponível no canal do Youtube da Fundação.

botao_fixo.png